Óleo Vegetal Castanha do Para 30ml BySamia

HOME / Óleo Vegetal Castanha do Para 30ml BySamia

Óleo Vegetal Castanha do Para 30ml BySamia

by033

R$ 37,90

1x de R$ 37,90

QTD:
Comprar

Detalhes do produto

O óleo vegetal de Castanha do Pará é um produto natural; 100% puro e sem conservantes. Produto Vegano - livre de testes em animais e ingredientes de origem animal. Não possui em sua composição: Parabenos; Sulfatos; Corantes; Silicone ou Essências artificiais. Embalagem: Vidro âmbar contendo 30 ml de óleo vegetal. Tipo de Extração: O Óleo Vegetal de Castanha do Pará é extraído das flores da Bertholletia excelsa seed por prensagem a frio. Sinônimos: Castanheira; castanha do Brasil; castanha do Pará (Bra); Brazil nut (Ingl); Noix du Brésil; Noix de Pará; Chatãigne du Brésil (Fran); Nuez del Brasil (Esp); Para nuss (Ale); Noce del Brasilie (Ital); etc. História da Planta: A Castanha do Pará é uma das mais importantes árvores amazônicas conhecida; apresenta papel fundamental na organização sócio - econômica de grandes áreas extrativistas da floresta. A amêndoa; extraída do fruto; tem grande utilidade e alto valor econômico. A castanha é originária da região amazônica. No Brasil ocorre nos estados do Acre; Amazonas; Pará; Roraima e Rondônia e em boa parte do Maranhão; Tocantins e Mato Grosso. As flores branco-amareladas florescem de novembro a fevereiro e o fruto amadurece de novembro a fevereiro. O fruto da Castanha se chama ouriço que contém de 15 a 24 sementes que são as Amêndoas da castanha. O óleo de castanha do Brasil é delicioso quando usado em receitas culinárias; bem como em saladas e refogados. A castanha é muito apreciada como aperitivo; depois de desidratada e também entra na composição de biscoitos; farinha; paçoca; além do óleo. O óleo de castanha do Pará substitui com vantagens o Azeite de Oliva por seu sabor agradável. Apresenta também uma excelente composição de ácidos graxos essenciais e substancial teor de proteínas; lipídios e vitaminas que o torna excelente fonte nutricional. A castanha do Pará está intimamente ligada à cultura das populações tradicionais da Amazônia – seus produtos e subprodutos são utilizados há várias gerações como fonte de alimentação e renda; apresenta grande importância econômica para região; pois o extrativismo propõe condições melhores de sobrevivência além de ajudar a preservar a floresta. Atualmente é abundante apenas no norte da Bolívia e no Suriname. Incluída na Lista Vermelha da IUCN como vulnerável; o desmatamento é a ameaça a sua populações – nas margens do Tocantins foi derrubada para a construção de estradas e de uma barragem; no sul do Pará por assentamentos de sem-terra; no Acre e no Pará a criação de gado provoca sua morte; e a caça das cotias que são os dispersores de suas sementes ameaça a formação de novos indivíduos. Apesar do seu nome em inglês; Brazil Nut; o maior exportadrs de Castanha do Pará não é o Brasil e sim a Bolívia; onde são chamadas de almendras. Isto se deve a drástica diminuição da espécie no Brasil; devida ao desmatamento. O nome em português se refere ao estado do Pará; porém os acreanos se referem a elas como castanhas do Acre. Alguns nomes indígenas são Juvia na região do Orinoco e sapucaia em outras regiões do Brasil. Aspectos Botânicos: A castanha do Pará ou castanha do Brasil é a semente da castanheira do Pará - é uma arvore da família botânica Lecythidaceae; nativa emergente da Floresta Amazônica. É um fruto com alto teor calórico e proteico; além disso; contém o elemento selênio que combate os radicais livres e muitos estudos o recomendam para a prevenção do câncer (cancro). É a única espécie do gênero Bertholletia – Nativa das Guianas; Venezuela; Brasil (Acre; Amapá; Amazonas; Maranhão; Mato Grosso; Pará e Rondônia); leste da Colômbia; leste do Peru e leste da Bolívia; ela ocorre em arvores espalhadas pelas grandes florestas as margens do Rio Amazonas; Rio Negro; Rio Orinoco; Rio Araguaia e Rio Tocantins. O gênero foi batizado em homenagem ao químico francês Claude Louis Berthollet. Embora seja classificada pelos cozinheiros como uma castanha; os botânicos consideram a castanha do Pará como uma semente; e não uma castanha; já que nas castanhas e nozes a casca se divide em duas metades; com a carne separando-se da casca. A castanheira do Pará; é uma grande árvore; chegando a 30-50 metros de altura e 1-2 metros de diâmetro no tronco; está entre as maiores árvores da Amazônia. Pode viver mais de 500 anos; e de acordo com algumas autoridades frequentemente chega a viver 1.000 anos. Seu tronco é reto e permanece sem galhos por mais da metade do comprimento da árvore; com uma grande coroa emergindo sobre a folhagem das árvores vizinhas. Sua casca é acinzentada e suave. A árvore é caducifólia; suas folhas; que medem de 20 a 35 centímetros de comprimento e 10 a 15 centímetros de largura; caem na estação seca. Suas flores são pequenas; de uma coloração verde-esbranquiçada; em panículas de 5 a 10 centímetros de comprimento; cada flor tem um cálice caducifólio dividido em duas partes; com seis pétalas desiguais e diversos estames reunidos numa massa ampla em forma de capuz. Principais Compostos: Ácido alfa-linoléico; ácido linoléico; ácido oléico; ácido palmítico; ácido esteárico; antimônio; cálcio; cério; esteróis; proteínas; selênio; vitamina B – apresentando 18% de proteína; 13% de carboidratos e 69% de gordura (25% gorduras saturadas; 41% de monoinsaturadas e 34% de poliinsaturadas; etc. Os óleos vegetais são substâncias naturais extraídas de plantas de diversas partes do mundo. Desta forma; podem existir variações em seus aromas e compostos. Modo de uso dos óleos vegetais: Ideal para utilizar como veículo de diluição dos óleos essenciais ou puro. Dosagem Aproximada Massagem Corporal: 30 mls por uso Massagem Facial: 5 mls por uso Massagem Capilar: 5 mls por uso A By Samia não se responsabiliza pelo uso indevido dos produtos aqui vendidos.